Volume 01 / n. 01 ago.-dez. 2009: Artigos

Pesquisa sobre formação de profissionais da educação no GT 8/Anped: travessia histórica

GT Formação de Professores: transformação substantiva

No inter-regno 1992-1993, tomou impulso a ideia de reconfigurar o Grupo de Trabalho, com a finalidade de chegar a contornos mais nítidos de uma outra identidade teórico-metodológica. Bastante revigorada essa posição dos participantes do GT, na 16ª RA realizou-se uma avaliação acerca da apropriação de novos objetos de pesquisa pela comunidade dos programas de pós-graduação, o que implicou reconhecer que a denominação GT Licenciaturas não correspondia à evolução dos estudos no tocante à formação de professores.

Desde sua origem (1903) até 1993 (14ª RA), as pesquisas em debate no GT Licenciaturas, coerentemente ao seu perfil, circunscreviam-se à formação inicial de professores no ensino superior. Por certo, essa configuração restringia a divulgação de investigações a respeito da formação de profissionais da educação feita em outros níveis e na modalidade de educação contínua. Ficou claro para os integrantes do GT8 que as mudanças não significavam uma simples troca de nomenclatura. Tomada a decisão favorável às transformações, a autora do presente artigo propôs um plano de ação para que a nova identidade teórico-metodológica, de fato, viesse a configurar o ethos do renovado GT8. Aceita a proposta por unanimidade, o ato contínuo foi a escolha por aclamação da propositora para coordenar o GT. Sem dúvida, resultou na prática o emprego da premissa: Propôs? Assuma a responsabilidade.

O espectro de temáticas que a própria expressão “formação de professores” desvela levou a uma irreversível ampliação do GT8, tanto em número de participantes, quanto ao afluxo de trabalhos para serem selecionados pelo Comitê Científico nas sucessivas reuniões anuais da Anped. As mudanças foram também favorecidas pelos estudos que se multiplicaram sob novos paradigmas das ciências sociais e humanas, sob ações do Estado mínimo brasileiro em relação às políticas educacionais, impulsionado por dispositivos da LDB/1996 e sua implementação, que por sua vez passaram a instigar novas pesquisas, pela expansão dos cursos de mestrado e doutorado na área de Educação e pela facilidade de circulação de informações e comunicações em plena sociedade da revolução tecnológica.

O GT Formação de Professores no conjunto dos 23 GTs da Anped transformou-se no maior, em quantidade de participantes e qualidade de trabalhos. Por várias RAs consecutivas ocupou o primeiro lugar entre os GTs que recebiam maior número de pesquisas para serem avaliadas pelo Comitê Científico. Mantém-se até aos dias atuais entre os que congregam maior afluxo de Trabalhos e Pôsteres.

Saliento que faz parte da travessia histórica do GT a importante atuação de seus coordenadores, de representantes no Comitê Científico de cada RA e de consultores ad hoc. Esses colaboradores desenvolvem atividades previstas em regulamento da Anped, cuja assunção exige observação rigorosa de critérios, de modo geral, atendidos pelos integrantes do núcleo básico e permanente de pesquisadores do GT8. Foram mencionados anteriormente os quatro primeiros coordenadores. É necessário, todavia destacar que na atualidade a coordenadora é a professora Emília Freitas de Lima, da UFSCar, cuja recondução ocorreu em 2007, e que fora precedida pelos professores Laurizete Ferragut Passos (2004-2005), da UNESP/Rio Claro; Eduardo Adolfo Terrazzan (2000-2003), da UFSM e Elsa Garrido (1995-1999), da USP.

Elaborar uma síntese do breve período (1992-1993) descrito neste subitem importa assinalar que o percurso da pesquisa no GT privilegiou estudos sobre a articulação da investigação com a docência, com pesquisas para construir conhecimentos e saberes docentes, os quais incluem a prática dos professores, prática que se transforma em objeto de investigação e de reflexão teórica. Problemas de pesquisa centrados na interdisciplinaridade também marcaram a produção do GT neste biênio.

O “acontecido”, o acontecendo: o GT Formação de Professores revela com nitidez outra identidade e se consolida como fórum plural e democrático de circulação de pesquisa, debates e críticas.

GT Formação de Professores: análise da produção científica na modalididade trabalhos

O contexto de mudança e inovações no GT Formação de Professores induziu a um balanço de sua produção. Ponto de partida para o desenvolvimento da pesquisa teórico-bibliográfica, do tipo estado da arte com análise de conteúdo dos trabalhos apresentados no GT, no período 1992-1998. Tal estudo permitiu a análise dos trabalhos completos e resumos, sob a responsabilidade da autora deste estudo em parceria com Elsa Garrido (USP). Essa pesquisa veio a fazer parte de uma mais ampla coordenada por Marli André, com um rigor científico peculiar à investigadora, nesta ocasião Secretária Geral da Anped e membro do GT Didática, hoje integrante do GT8.

O estado da arte do período supramencionado confirmou a pertinência da investigação. Os resultados revelaram, por um lado, uma riqueza e variedade de aportes teóricos, a complexidade dos novos desenhos de pesquisa sobre a temática, bem como metodologias, procedimentos e resultados que consistem em contribuições valiosas para avanço do campo investigado no GT8. Por outro, ficou demonstrada a importância de mapear áreas e temas ainda lacunares na produção do GT. Foram ainda constatadas dificuldades em alguns trabalhos, no sentido de o pesquisador precisar o método, a metodologia, os procedimentos e o instrumental da pesquisa realizada.

Para além de o estado da arte constituir fundamental fonte de consulta para o GT, outra razão de sua pertinência é servir de referência aos demais GTs, considerando que a temática formação de professores é objeto de pesquisa de vários, na Anped. Esta é uma das formas de desvelarem-se limites e possibilidade na interface com vários GTs.

Ao longo da trajetória do GT Formação de Professores, vários encaminhamentos foram feitos em suas sessões de avaliação durante as reuniões anuais, visando a manter sintonia com seus objetivos. Entre eles sobressai a análise dos trabalhos, do que me ocuparei mais adiante. Ainda, por julgar relevante para o presente estudo, cito alguns deles: a) a análise dos trabalhos e pôsteres apresentados nas RAs deve se tornar procedimento contínuo, o que requer desenvolver projetos de pesquisa integrando diferentes pesquisadores do GT com finalidade de proceder a meta-avaliação da produção científica; b) o aperfeiçoamento dos pesquisadores juniores e seniores em metodologia de pesquisa deve compor atividades programadas pelo próprio GT durante as RA e em seus inter-regnos, por exemplo, durante as reuniões regionais da Anped; c) a identificação de diferentes grupos de pesquisa, no Brasil, cujo objeto de investigação seja formação de profissionais da educação é significativa. Desse modo, é preciso organizar um mapeamento ou cadastro que funcione como banco de dados, objetivando maior intercâmbio e interlocução intergrupos. Esse intento foi conseguido com a realização do I Simpósio dos Grupos de Pesquisa sobre Formação de Professores no Brasil, na PUC/SP em julho de 2006, do qual participaram 73 grupos. O evento contou com um grupo organizador de integrantes do GT8, sob a coordenação de Emília Freitas de Lima.

No que diz respeito à análise dos trabalhos do período 1992-1998, um recorte foi imposto, sendo necessário limitar o alcance da pesquisa a alguns momentos históricos, pois não foi possível localizar grande parte da produção apresentada por falta de registros. Na tortuosa caminhada de busca para reunir a produção científica do GT Licenciaturas, na década de 1990, fui informada pela secretaria executiva da Anped, em São Paulo, que a ausência de um local específico que comportasse o acervo da entidade conduziu à sucessivas transferências dos arquivos da Associação, pois tal material acompanhava cada diretoria eleita e, geralmente, ficava à guarda do Presidente e da secretaria executiva, fato que levou ao extravio de documentações. Felizmente, em nossos dias, o avanço da tecnologia e o uso da internet permitem consultas instantâneas ao acervo virtual, simplificando o processo de coleta de informações e o penoso trajeto dos pesquisadores no “garimpo” de dados.

Produção científica: 1992-1998

Os 70 trabalhos analisados por Brzezinski e Garrido (2001) constituíram uma amostra da produção do GT no período 1992-1998. Como mencionado anteriormente não foram incluídos comunicações e pôsteres.

Após localização dos trabalhos nos arquivos da Anped, foi realizada a leitura analítica dos trabalhos completos. Outro procedimento de pesquisa foi a organização dos dados sitematizados em uma matriz analítica, da qual emergiram cinco categorias de análise e seus respectivos descritores. As categorias, número de ocorrências e percentuais em relação ao universo de trabalhos analisados podem ser consultados a seguir na Tabela 1.

Os aspectos teórico-metodológicos que sustentaram o referencial e a opção pelo método e metodologia de pesquisa, os resultados alcançados, os focos de análise e as tendências que as produções examinadas sugeriram foram suficientemente analisados para apontar o que se segue. Peço vênia aos leitores para transcrever os resultados em citação bastante longa.

  • As experiências de parceria da universidade com o sistema de educação básica abriram caminhos novos de pesquisa, de revisão de concepções sobre processos de formação e de profissionalização docente. A participação dos professores, enquanto sujeitos dos processos formativos, apareceu em várias pesquisas de formação inicial e continuada, mas, a voz do aluno praticamente não foi ouvida pelos investigadores. Aliás, os professores foram estudados pelos formadores-pesquisadores. Não foi analisado o formador do professor. Tampouco foram levantados dados sobre como outros profissionais vêem os professores ou como os alunos vêem os docentes. Nada se estudou a respeito do que os alunos esperam da escola. A avaliação do impacto dos cursos de formação inicial e continuada na melhoria da qualidade do ensino também foi questão pouco investigada na produção do GT, assim como silenciam-se as pesquisas sobre as condições de trabalho dos professores da rede pública e a influência desse fator nos baixos índices de qualidade e de aproveitamento no ensino fundamental. No conjunto dos trabalhos, é marcante a recorrência à temática da profissionalização docente, inclusive com o aporte de modelos teóricos expressivos para a construção da identidade profissional do professor. Calam-se, porém as pesquisas em relação a um aspecto da profissionalização: o direito de sindicalização e de participação nas associações da categoria e dos movimentos em defesa da valorização do professor. Do mesmo modo, emudecem-se as fontes em relação à carreira docente e aos movimentos de valorização profissional. Políticas públicas de formação docente, de desenvolvimento profissional e de valorização da profissão também são questões que carecem de investigações documentais e de ensaios críticos. Outro tema recorrente nas pesquisas analisadas é a feminilização do magistério do ensino fundamental. No entanto, merece ainda ser discutida a competência feminina para assumir a gestão de instituições superiores e universidades, como valorização da profissão e como reconhecimento do estatuto social e econômico da mulher como professora. (BRZEZINSKI; GARRIDO, 2001, p.95-96)

Um outro trabalho visou à sistematização de pesquisas analisadas no GT8 e foi apresentado por Brzezinski na 21ª RA (1998), com suporte metodológico na análise da produção do conhecimento denominada “reconciliação integrativa” (MOREIRA, 1985, p. 9). A discussão do trabalho trouxe interessantes contribuições para a configuração do GT. Em recorte sobre os dados da pesquisa anteriormente descrita, BRZEZINSKI analisou 40 Trabalhos, de autoria de 51 pesquisadores, em 26 instituições de ensino superior no período 1992-1998. Nesta investigação foram identificados os núcleos de pesquisa, as áreas temáticas e as linhas de investigação mais explorados pelo GT8, assim como os núcleos temáticos e áreas menos exploradas, portanto emergentes, mas de fundamental significado para as reflexões do GT.

  • Correspondência

    Iria Brzezinski

    Rua Dom Orione (antiga T-48/A)
    n. 188,apto. 101.
    Edifício Lagoa dos Mares
    74140 080 Setor Oeste Goiânia
    GO Brasil


  • Tabela 1

    Tabela 1

    Resultados do estado da arte de trabalhos apresentados no GT8 -1992-1998

    Tabela 2

    Tabela 2

    Resultados de análise de trabalhos apresentados no GT8 1999-2003

    Tabela 3

    Tabela 3

    Categorização dos trabalhos, frequência em ordem decrescente – 1999-2008

    Gráfico 1

    Gráfico 1

    Categorias de análise, percentual de ocorrência 1999-2008

    Quadro 1 - Categoria 1

    Quadro 1 - Categoria 1

    Concepções de Docência e de Formação de Professores

    Quadro 1 - Categoria 2

    Quadro 1 - Categoria 2

    Políticas e Propostas de Profissionais da Educação

    Quadro 1 - Categoria 3

    Quadro 1 - Categoria 3

    Formação Inicial

    Quadro 1 - Categoria 4

    Quadro 1 - Categoria 4

    Formação Continuada

    Quadro 1 - Categoria 5

    Quadro 1 - Categoria 5

    Trabalho Docente

    Quadro 1 - Categoria 6

    Quadro 1 - Categoria 6

    Identidade e Profissionalização Docente

    Quadro 1 - Categoria 7

    Quadro 1 - Categoria 7

    Revisão de Literatura

  • Download do artigo

    Pesquisa sobre formação de profissionais da educação no GT 8/Anped: travessia histórica Download

  • Cadastre-se

    Caso queira obter informações sobre a Revista “Formação Docente”, cadatre-se e receba atualizações periódicas sobre a produção acadêmica na área da formação de professores. Cadastre-se